7. mai, 2016

O VICE!

 

 

O VICE!                                CRÔNICA

                                            ( Agenor Santos)

 

Um governo tampão, de transição ou definitivamente assumido pelo Vice, amparado pela atual legislação eleitoral, não convence o eleitor consciente e exigente, pelo fato do vice não ter sido votado. O eleitor questiona, mas eu não votei nesse candidato e ele agora vai me representar? Embora a maioria desconheça a legislação, é óbvio que com a revisão tenhamos um ganho mais democrático e respeitoso.

 

A Lei Eleitoral nº 9.504/97 foi alterada com a mini- reforma em 2015,  que disciplina a duração de campanha de 90 para 45 dias; na rádio e TV  de 45 para 35 dias. Mas é preciso ampliar o leque de ações a corrigir inúmeras falhas conservadoras. Entendemos, que uma Reforma Geral na Legislação Eleitoral, dentre as prioridades, passa a ser indispensável para aperfeiçoar o processo eleitoral. No que diz respeito ao vice, seja para a presidência da república, senador etc. todos deveriam se submeter a voto direto independente de sigla partidária. O vice, ao assumir por ter sido o mais votado, se sentiria mais confortado diante do Executivo e do Legislativo. È uma proposta que esperamos que seja levada em consideração pelos políticos de boa vontade.

 

Acreditamos ser possível. A nossa proposta visa unicamente o fortalecimento, a transparência e a confiabilidade da Casa do Povo. É bom ressaltar que com a disciplina, com o império da lei e sem foro privilegiado,  alcançaremos o estágio desejado dos nossos representantes. Estamos carentes de educação e saúde. O brasileiro ama o esporte, mas a saúde em primeiro lugar.  Estamos de olho. O vice precisa se legitimar com a Reforma Eleitoral.

 

 

 

Agenor Boaventura dos Santos

Pedagogo/Pós-graduado em

Docência Superior/Poeta.

 

Email: aggenor@hotmail.com

 

Blog:  agenorsantos.simplesite.com