12. dez, 2015

O VELHO TREM - POESIA: Agenor Santos

 

O velho Trem resiste

A contribuir com o progresso

Sem se incomodar com o invisível

E moderno Trem Bala Rio/São Paulo

 

Logo bem cedo

Todos ouvem o seu avisar

Como alerta do seu passar

A evitar vidas ceifar

 

O seu apitar  piau piau  piau.....

É muito agradável

Ao despertar

Povoados do lugar

 

Que margeiam seu trilhar

Virou hábito a todas as cidades

No seu trajeto diário

Empolgados com seu  trabalho

 

O velho Trem quando passa

Passageiros a acenar

Da janela aos seus familiares

Com olhos a lagrimar

 

O velho Trem

Vai deixar saudades

Nas grandes cidades

Pelas perdas de vidas inevitáveis.