10. out, 2015

PENSAR GRANDE, OUSADIA TARDIA - Artigo: Agenor Santos

Pensar grande, mesmo sendo uma ousadia tardia que requer uma reflexão de qualquer cidadão, principalmente quando se trata de gestão. A nossa inquietação tem muito a ver com o Maranhão; um Estado com grande potencial em recursos naturais e banhado pelo Oceano Atlântico, com uma extensa Costa marítima, cortado e recortado de rios, lagos e córregos a serem explorados para o desenvolvimento e derrubada do vexatório IDH - Indice de Desenvolvimento Humano, uma vergonha nacional.

 

Cabe ao Excelentíssimo governador Flávio Dino, abraçar essa causa em favor do Maranhão e principalmente aos jovens maranhenses que são obrigados a se deslocarem a outros estados a busca de oportunidades. O atual mandatário recém-eleito tem demonstrado fazer o melhor dentro das limitações dos recursos  para minimizar os problemas herdados que precisam de soluções a curto, médio e longo prazos. O povo maranhense o elegeu acreditando na sua juventude, competência e compromiosso de fazer o melhor para tirar o Estado do atraso com políticas públicas bem definidas para sua aplicação sem espaço para corrupção e outras velhas práticas já conhecidas. Sabemos da realidade, o governador recebeu um Estado hiperendividado, mas a sua vontade de trabalhar vem superando os obstáculos.

 

A nossa preocupação com a atual e as novas gerações por pouca  ou nenhuma opção para seguir carreira nas suas vocações profissionais. Gostaríamos que as instituições militares pudessem oferecer mais oportunidades aos jovens maranhenses. O 24º Batalhão de Caçadores disponibiliza um número limitado de vagas deixando dezenas fora do processo. Temos motivos para Pensar Grande, e Ousar mesmo tardiamente com a implantação de um Regimento do Exército Brasileiro no Maranhão, considerando a necessidade e as condições geogáficas estratégicas propícias que o Estado oferece. Pensar Grande e Ousar requer grandeza para realizar sonhos em realidade.

 

Aguardaremos com esperança de ter uma resposta breve, a exemplo do ocorrido com a implantação do 16º Tribunal Regional do Trabalho, quando através de documento assinados pelas entidades de classe, reivindicando mais Juntas de Conciliação e Julgamentos para o Maranhão, dois anos se passaram sem nenhuma resposta e ninguém sabia informar nada a respeito.

 

A nossa inquietação nos levou a escrever uma matéria reiterando o documento que estava no esquecimento havia dois anos. Resolvemos Pensar Grande e Ousar, expondo os motivos pelos quais o Maranhão necessitava de um Tribunal Regional do Trabalho; os nossos argumentos foram convincentes e vitoriosos. Queremos mais, a implantação do Exército e demais forças militares no Maranhão.